Quais são os protocolos do jejum intermitente?

0
375
Como fazer jejum intermitente

As formas de adotar a estratégia alimentar podem variar. Entenda como fazer jejum intermitente de um jeito seguro

Jantar mais cedo, pular o café da manhã e só comer na hora do almoço. Ou então restringir drasticamente o consumo de alimentos em um dia inteiro da semana. Se você já procurou saber como o jejum intermitente funciona, provavelmente descobriu que existem vários protocolos diferentes. “As categorias principais são três: em dias alternados, o dia inteiro e alimentação com restrição de tempo”, explica a nutricionista Fúlvia G. Hazarabedian, head do programa Bio Nutri. A seguir, ela ajuda a entender cada um deles:

Como fazer jejum intermitente?

1 – Em dias alternados

Como o próprio nome diz, nele você alterna um dia em jejum (sem o consumo de calorias) com outro de alimentação normal.

2 – O dia inteiro

“A forma mais simples do método. Ela consiste, basicamente, em um ou dois dias de jejum completo por semana — somente com ingestão de água. Nos outros, o cardápio volta”, diz a especialista.

3 – Com restrição de tempo

Você mantém a rotina alimentar, mas designa um período de horas para o jejum (chamado de janela). É o caso de quem para de comer às 19h, por exemplo, para fazer a próxima refeição somente às 12h do dia seguinte.

Vale lembrar que as escolhas de desjejum devem ser balanceadas em qualidade e quantidade — não adianta nada ficar 16 horas sem calorias para depois atacar um prato cheio de fast-food.

Efeitos colaterais

Muita gente aposta no jejum intermitente para emagrecer (ou sair do efeito platô, quando você atinge um certo peso e não consegue mais diminuí-lo). A nutricionista diz que ele realmente pode ser mais fácil de aderir do que uma dieta muito restritiva, uma vez que a última requer contagens de calorias, muito foco e vigilância constante.

Contudo, o método não vale para todos, e muito menos deve ser feito sem a recomendação de um especialista. As pessoas que têm problemas de colesterol, pressão arterial, diabetes e cardiopatias precisam consultar um médico antes de iniciar a estratégia. Já idosos, crianças, grávidas, quem tem índices de massa muscular baixos ou sofre com transtornos psicológicos geralmente não podem realizar o jejum intermitente.

Isso porque mesmo sem nenhuma condição prévia, ele gera uma série de efeitos iniciais. “Como dores de cabeça, tontura, dificuldade para manter a concentração e alterações na absorção de alguns medicamentos”, explica a nutricionista. Até o seu corpo se acostumar com o jejum pode levar um tempo e requer acompanhamento médico.