Como (e quando) voltar aos treinos depois de contrair a Covid-19?

0
222
treinar depois da Covid-19

Especialistas apontam os principais cuidados que você deve tomar ao treinar depois de ter Covid-19

Muitas pessoas que já contraíram o novo coronavírus devem ter se perguntado quando voltar a praticar exercícios físicos. A verdade é que é preciso muita atenção com o retorno: tanto a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) quanto a de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE), por exemplo, falam que há relação entre a infecção e o aparecimento de problemas no coração.

Arritmias, miocardite e insuficiência estão entre as complicações. Elas costumam aparecer em 20 a 30% dos pacientes que necessitaram de hospitalização. Contudo, quem teve sintomas leves também precisa ficar esperto(a). “Os especialistas já tinham conhecimento que o coração pode ser prejudicado em viroses, já que os vírus podem inflamar o órgão”, explica a cardiologista Rica Buchler, de São Paulo.

Isso sem falar nos distúrbios respiratórios. “Aproximadamente 14% dos pacientes com Covid-19 têm falta de ar e baixa oxigenação sanguínea”, alerta o pneumologista e alergista José Roberto Zimmernan. Casos mais graves precisam de internação e até intubação.

Leia mais: UNESCO, “Educação Física ajuda na recuperação da Covid-19”

Como voltar a treinar depois de ter Covid-19?

Por isso, para voltar a treinar depois de ter Covid-19, vale seguir alguns passos essenciais. Eles vão garantir sua segurança — e a de outros a seu redor. O primeiro deles, afirmam os dois médicos, é respeitar um período de no mínimo 15 dias para o retorno à atividade (seja ela uma sessão de yoga em casa ou uma aula de Burn, no Bio Class).

O segundo é correr para o médico. “Todos têm que fazer check-ups gerais”, recomenda Rica. Se os exames não apontarem nenhuma alteração no organismo, você já pode marcar uma consulta online com um educador físico. Ele irá estimar quanto condicionamento físico e massa muscular foram perdidos enquanto seu corpo tentava se recuperar. “Esses fatores interferem diretamente na sensação de fadiga durante o esforço”, diz a médica.

Por fim, o retorno aos esportes deve ocorrer de forma tranquila e gradual. Mais uma vez, a ajuda de um treinador especializado é imprescindível nesta etapa. “A pessoa pode sentir mais dificuldade para respirar, mesmo se teve sintomas leves”, explica Rica.

E os casos graves?

Já quem teve manifestações moderadas a graves (e está liberado(a) pelo médico) precisa, antes de tudo, realizar a fisioterapia pulmonar. “Durante a primeira semana, são indicados exercícios de flexibilidade e respiratórios que vão aumentando em intensidade de maneira gradativa”, explica Lucas Florêncio, gerente de departamento técnico da Bio Ritmo.

Na segunda semana (ou quando a pessoa se sentir mais confiante), o instrutor irá passar exercícios leves e que trabalham o corpo inteiro. “Mas todos de baixa complexidade e com grandes tempos de intervalo”. Aos poucos, a dificuldade e a duração dos treinos irão aumentar. “Mas vale lembrar que cada caso é diferente. Por isso é tão importante o acompanhamento profissional”, finaliza o treinador.